sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Dalmo Dallari, o “professor aloprado” do PT

Nelson Motta: O aloprado e a trapalhona

Dilma desrespeitou a LRF, encobriu ilegalidades e escondeu dívidas em benefício de sua reeleição e em prejuízo de seus concorrentes

Só mesmo um petista histórico como o professor Dalmo Dallari, que já pagou muitos micos jurídicos em defesa do partido, pode dizer que o julgamento das contas de Dilma no TCU foi político e não jurídico, quando todo mundo viu que foi técnico: as provas apresentadas, julgadas e aprovadas por unanimidade, são contábeis, são graves violações da Lei de Responsabilidade Fiscal, que justificam a rejeição das contas.

Mas o professor Dallari assegura que “Dilma não levou qualquer vantagem pessoal com as contas do governo”. Ela só fez essas trapalhadas e desatinos fiscais para enganar o eleitorado com um país enganoso e falsamente próspero, gastou muito mais do que podia sem autorização do Congresso em um ano eleitoral, e até durante a campanha, mas a candidata Dilma não teve qualquer vantagem... rsrs.

Talvez, para ele, vantagem pessoal seja “meteu algum no bolso”, como os guerreiros da causa que roubaram para o partido e para eles mesmos. Mas disso ninguém a acusa. Ela só é responsável por enganar a população, desrespeitar a LRF, encobrir ilegalidades e esconder malfeitos contábeis em benefício de sua reeleição e em prejuízo de seus concorrentes.

O professor aloprado afirma que “a presidente não pode ser responsabilizada por atos estranhos ao exercício do mandato”. Mas se executar o Orçamento não é responsabilidade da presidente, de quem seria?

Para ele, “as pedaladas são atos formais de administração da equipe econômica sem interferência da presidente”, como se Dilma não fosse a mãe da “nova matriz econômica”, se Arno Augustin, Guido Mantega e Nelson Barbosa não fossem fiéis executores de suas ordens. Ao contrário de Lula, Dilma é metida a economista, sempre teve absoluto controle da área, e por isso estamos como estamos.

Tantas falcatruas provadas, comprovadas e aprovadas não podem ser rejeitadas pelo Congresso tecnicamente, só politicamente, no pior sentido, ou ter a sua votação protelada por Renan como mais uma arma de chantagem contra Dilma Trapalhona.

Mas Dilma viu luz no fim do túnel: é o farol do trem-bala do impeachment vindo em sua direção a 400 quilômetros por hora.


3 comentários:

  1. A situação está tão caótica que até o Villa está se atrapalhando. No jornal da manhã da Jovem Pan, o Vila disse que o Brasil está a deriva, quando em verdade isso acontece desde 2003, quando Lula assumiu a presidência. Basta lembrar que a maioria acreditava que o Brasil ia para uma direção, quando estava indo do nada para lugar nenhum (à deriva).

    Portanto o Villa se equivocou, o Brasil CONTINUA à deriva, a diferença é que agora tem um forte nevoeiro, será necessário retirar o nevoeiro para depois descobrir qual rumo tomar.

    ResponderExcluir
  2. Bem, descontando-se a minha já reconhecida "restrição interpretativa", como dizia a vovó Vandoni, presumi que o nevoeiro é a tal govern anta. Ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele mesmo, com a cabeça acéfala e todos os tentáculos.

      Excluir