sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

De novo a eutanásia

Como não poderia deixar de ser, Reinaldo Azevedo se manifestou contra a tal lei da eutanásia infantil, aprovada ontem na Bélgica.

“É possível, sim, que a lei acabe sendo pouco, sei lá como dizer, ‘acionada’. A questão grave aí é de princípio mesmo. Nem tem a criança, mesmo com condições de se comunicar com clareza, discernimento o suficiente para opinar sobre algo tão… definitivo nem me parece razoável, como princípio de civilização, que outros possam definir quem continua ou não vivo, ainda que pais, médicos e psicólogos.

Tudo está preparado para a falsa polarização entre a sociedade laica e as religiões, já que cristãos judeus e muçulmanos criticaram a aprovação da lei, como se a defesa incondicional da vida fosse expressão de um dogma que interessa a hierarcas religiosos. Até onde alcanço, deveria ser um fundamento inegociável do humanismo, com ou sem Deus.

Sem Deus? Pois é… Quem precisa Dele quando os homens sabem, não é mesmo?, quem pode nascer, viver e morrer?”

Pois é, Reinaldo deu uma bela topada na lógica, vejam só: primeiro ele afirma que “a defesa incondicional da vida” não é a “expressão de um dogma” religioso, para logo em seguida dizer que a mesma “deveria ser um fundamento inegociável do humanismo”. Ora, o que é um “fundamento inegociável” senão um dogma, que, só para reforçar a memória, é definido como o “ponto fundamental de uma doutrina religiosa, apresentado como certo e indiscutível”? E o que fez Reinaldo além de trocar a religião pelo humanismo, termo tão vago que pode definir tanto as ideias de Bolsonaro quanto as de Jean Wyllys?

Além disso, um dos pontos principais da “filosofia humanista”, que não passa de uma colcha de retalhos de várias doutrinas, trata exatamente do livre-arbítrio diante de pretensos poderes transcendentes e de condicionamentos naturais e históricos.

Portanto, mais uma vez repito aqui, toda vez que Reinaldo - ou qualquer outra pessoa - mistura suas crenças com assuntos objetivos, acaba perdendo sua capacidade de raciocínio lógico. É uma pena que isso aconteça tantas vezes e com tanta gente.

5 comentários:

  1. A lei é belga, a eutanasia ira acontecer na Bélgica., 80% do povo belga aprova a lei, portanto ...


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... Reinaldo Azevedo perdeu a oportunidade de ficar calado.

      Excluir
  2. Pois é, exigir que o sofrimento alheio seja preservado acima de qualquer coisa é realmente humanista.

    ResponderExcluir
  3. Deixa ver se eu entendi. Cristãos, Judeus e Muçulmanos são contra, certo? Judeus praticavam a pena de morte por apedrejamento com as mulheres que faziam pipi fora da bacia; Cristão queimavam vivas por motivos irracionais. Judeus e Cristão tiveram vergonha na cara e mudaram esses hábitos, mas o passado os impede de falar que a religião não permite que o homem decida quem vive e quem morre. Quanto aos muçulmanos... sem comentários.

    ResponderExcluir
  4. Bem comentado Milton, bem comentado.

    Nao podemos em hipotese alguma sequer misturar o islão em um debate com pessoas que realmente vivem no século XXI. O retraso é tamanho que nao existe maneira.

    ResponderExcluir