sábado, 15 de fevereiro de 2014

Branco é amarrado a poste e Sininho já foi presa por racismo. E agora, esquerda iluminada?

Por André Assi do “Bico do Tentilhão”:

Quando, a contragosto, analisei os rolezinhos, disse que muito me parecia que a esquerda estava desesperada. Saiu defendendo algo que ninguém sabia direito qual era o propósito, foi destilando marxismo rastaquera e depois, muitos até se retrataram, pois ficou nítido que era apenas bagunça juvenil em larga escala, sem qualquer fundo revolucionário (quando não, até o oposto).

Bastou um ladrãozinho e agressor ser preso a um poste, num claro sinal de insatisfação e reação das pessoas diante das políticas de violência para que a esquerda viesse com sua narrativa mitológica, enfatizando que o bandido era negro. Será mesmo que alguém que acha compreensível (e não louvável ou recomendável) que ele tenha sido amarrado ao poste, pensaria diferente se fosse um branco com as exatas mesmas atitudes criminosas? Apenas na esquerdolândia.

Pois bem, exatamente o mesmo ocorreu, agora em Santa Catarina, com um jovem branco. Por que nenhuma manchete enfatizou a cor da pele do rapaz? Ninguém percebe que, quando do caso anterior, o fato do menino ser negro foi majoritariamente mostrado, isso claramente era um típico estratagema ideológico, daqueles que a esquerda adora ver em todo canto (tipo propaganda tucana em cada comercial da Globo)? É autoevidente que os mesmos que apenas viram como algo compreensível o primeiro fato, assim viram o segundo, independente da etnia dos ladrõezinhos.


A complacência da esquerda com o racismo seletivo (militantes de esquerda podem ser racistas a vontade, âncoras de não-esquerda não podem opinar livremente, gente branca agredida é crime comum, gente negra agredida é retorno à senzala et cetera) não para. Sininho, a nova heroína manifesteira e Black Bloc juramentada, já foi presa por chamar um policial militar de macaco. Cadê o mesmo linchamento moral perpetrado contra Rachel Sheherazade? Que a esquerda acha toda violência revolucionária justificável já sabemos, são as mortes do bem, mas até racismo tá valendo na hora de criar o mundo melhor?

Tão ruim quanto as senzalas onde os negros viviam em sombrios períodos da história são as senzalas ideológicas promovidas pela esquerda com negros e as demais minorias.

2 comentários:

  1. É como a gritaria a respeito do assassinato de viados (gay o cacete; epa!).representam cerca de 0,6% do total de homicídios anuais no Brasil, muitos piores em crueldade e motivo fútil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, se levarmos em conta que 10% dos cidadãos brasileiros tem furores anais, no caso dos homens, e compulsão esfregatória, no caso das mulheres, chega-se à conclusão que, considerando-se a população total seja de 190 milhões de pessoas, temos a proporção de 400 assassinatos homofóbicos (arredondando bem para cima, já que as notícias deram conta de trezentos e poucos assassinatos por homofobia em 2013) para um universo de 19 milhões, ou 0,002%, enquanto para os normais sobram 49.999.600 assassinatos(considerando-se "apenas" a média histórica de 50 mil no país em 2013) para 171 milhões de heterossexuais mortos, o que dá 29,24%, ou seja, o número de heterossexuais assassinados é "apenas" 14.620 vezes maior que o dos gays.

      Excluir