quarta-feira, 11 de maio de 2016

Todo o romantismo de Olavo de Carvalho

“Casamento não foi feito para ‘dar certo’. O que dá certo - ou errado - é um negócio, uma viagem, uma aposta. Casamento foi feito para você amar loucamente aquela filha da puta até o último dos seus dias, pensar nela o tempo todo, achar lindo cada defeito dela, dar a vida por ela e achar que ainda deu pouco. Isso não é ‘um casamento que deu certo’. Isso é a felicidade, caraio.”

Quando eu digo que o cara pirou de vez, neguinho reclama.

O mais impressionante é que isso teve 963 compartilhamentos. As olavetes são fieis...

12 comentários:

  1. (argento) ... utópico romantismo!, vale, também, para ela (amar) àquele filho da puta ... o amor é lindhio! - quando os céus conspiram, o imponderável acontece ...

    ResponderExcluir
  2. (argento) ... retirou a "barra de tráfego"? - gostava de acompanhar o tráfego internacional do TMU ...

    ResponderExcluir
  3. Quando você diz que Olavo de Carvalho pirou de vez, eu digo que, eu digo que ele já tinha pirado de vem antes de eu saber da existência de Olavo de Carvalho. Eu, pelo princípio da inocência, fui simpatizante do Olavo por por algum tempo.

    Mas eu percebi, graças aos recurso da internet, que o Olavo é um merda. Agora eu estou constatando outra coisa: petistas tem mais facilidade de admitir que foram enganados pelo PT, do que os Olavettes admitirem que foram enganados pelo Olavo.

    ResponderExcluir
  4. O que ele quis dizer é que não existe um motivo racional para se amar, porque Deus nos ama? Porque amamos nossa mãe? Apenas por motivos racionais, friamente calculados? Se for assim não é amor. Vocês, junto daqueles IDIOTAS da Montfort acham que os sentimentos e o amor são coisas más por causa dos exageros do pensamento romântico, se guiar somente por sentimentos é mau, mas sem sentimentos somos robôs e não humanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manuela, não tente achar pelos em ovos tentando interpretar um demente desbocado e enfiando deuses onde não deve. Um sujeito que se propõe a falar em amor e o faz dessa maneira não merece maiores considerações a não ser classificado como desprezível.

      Excluir
  5. Quanto ódio no seu coraçãozinho, Ricardo! Hehehehe!
    A Manuela entendeu direitinho o sentido do texto.
    Quem aqui, por acaso, se escandalizou pelos palavrõezinhos que o velho usou. Para né? Hahaha! Sugiro, Ricardito, que você respire fundo e leia novamente sem pré conceitos.
    Vida longa e próspera!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho pena de gente como você, Rodrigo, que por não achar seu próprio caminho elege um deus ou um ídolo para "pensar" por você.

      Excluir
  6. Poste uma tese contra os livros dele, seu bosta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luís Otávio dos Santos, vai dar meia hora de furico pro Olavo que a sua raivinha passa logo (à maneira olaviana de argumentar).

      Excluir
  7. Somente os ignorantes sobre movimento politico, literario e politico não concordam com o velhinho..Romantismo é a merda que teve inicio na Alemanha onde valores morais e objetivos e por serem objetivos transcedentes perderam lugar para o subjetivismo onde "o importante é ser feliz" onde o pai de familia abandona a esposa com cinco filhos e casa com qualquer vagabunda divorciada que ele encontrou no baile funk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o que tem o fiofó a ver com as calças, Odirlei? O "romantismo" do Olavo, dito como ironia, nada mais é que uma atitude lírica, poética, apaixonada, sentimental, melosa, piegas. Nada tem a ver com movimentos literários ou políticos.

      Vocês, olavetes, são um primor de limitação intelectual.

      Excluir